Portugal X Brasil sobre os blogues

As últimas semanas no Brasil têm sido semanas de indignação e de protesto por parte de bloggers. Isto porque o Blue Bus, um blogue “jornalístico” publicou uma nota a respeito da acção da Coca-cola específica para bloggers. A acção era para o lançamento de um novo produto e o autor do blogue insinuou que os bloggers que publicaram a respeito do tema seriam proprietários de blogues de aluguer. Até repercussão internacional já teve.

Aqui em Portugal, sabemos de duas primeiras experiências de contacto das empresas com os bloggers. A primeira delas é a acção da Lift na Semana Académica de Lisboa e a segunda é a da Torke 2.0, que convidou alguns bloggers para a festa de lançamento do MySpace Portugal (disclaimer: na época eu ainda não era colaboradora da Torke 2.0). São poucos os exemplos actuais mas vão tornar-se cada vez mais frequentes e, é justamente por isso, que após o caso do Aqui e Agora, na SIC, alguns dos bloggers portugueses resolveram agir e tentar evitar que algo parecido acontecesse em Portugal.

Já está disponível há, pelo menos, um mês na Wiki do PtBlogs, um documento que serve de guia para os autores que quiserem utilizar os seus blogues como instrumento de divulgação de marcas e produtos. O documento deixa claro que apenas tem a pretensão de ser um guia, não uma lei ou regra a ser seguida por todos e que seja impingida. A intenção, como já foi dito aqui, é apenas ajudar a formar uma opinião diferente da exposta no programa e separar o joio do trigo como diz Marco Santos, do Bitaites.

Para explicar mais sobre a iniciativa estarão disponíveis entrevistas em vídeo com alguns dos primeiros participantes do movimento no canal PtBlogs do Sapo Vídeo. A primeira entrevista de Paulo Querido, é justamente com Benjamin Júnior, que foi o responsável pela abertura da sala do PtBlogs no friendfeed. Nesta entrevista conta-se como foi pensada a iniciativa e quais os objectivos da mesma.

Anúncios

A blogosfera portuguesa

Desde a indignação causada após o episódio “Aqui e Agora” alguns bloggers portugueses uniram-se e deram início a um movimento que pretende ajudar a desenvolver uma boa relação entre todos os interessados (bloggers, empresas, agências de comunicação e sociedade) na blogosfera.

O movimento Alinhamento da blogosfera “não pretende que abdiquemos das nossas convicções e das características que marcam os nossos espaços mas, pelo menos, devemos fazer um esforço por construir esse alinhamento na realidade portuguesa” afirma Benjamin Júnior, um dos idealizadores da iniciativa.

Benjamin explica ainda nos comentários de seu blogue o processo de criação para o ptblogs ” … Acho que é com pequenos passos, apelando ao voluntarismo de cada um que se conseguem algumas evoluções… Por falar em voluntarismo, é sempre bem vinda ajuda na criação da iniciativa ptblogs”.

Quem quiser pode inscrever-se em qualquer uma das ferramentas que constituem o projecto: uma sala no friendfeed, mailling list, wiki, twitter e um blogue. O movimento também é subscrito por Paulo Querido, Marco Santos além da autora deste blogue e outros bloggers.

Obercom não percebe Web 2.0

Acabei de receber a newsletter da Obercom e logo quando abri o email deparei-me com o seguinte:

WIKIS, BLOGUES E YOUTUBE. E AGORA?

Durante os últimos meses têm-se multiplicado, internacional e nacionalmente, os artigos de jornais, peças de televisão e, inclusive, muitas e longas linhas sobre o que é a Web 2.0, ou se preferirmos a Web social.

Lógico que fui abrir a ligação a correr pois o assunto é sempre de meu interesse. A decepção veio ao constatar que infelizmente nada do que ali foi escrito é relevante e pior chega a apresentar alguns erros, o que comprova que o autor (Gustavo Cardoso) pouco conhece da actual conjuntura e se meteu a escrever sobre o que não domina/conhece. Só por ser “moda”.

Ao comentar sobre a “verdade” disseminada e publicada nos meios tradicionais “dita pelos jornalistas (também aos professores e autores publicados e encadernados em papel)”, faz uma comparação com o fenómeno das publicações colectivas (aka Wikis) e chega à conclusão de que “temos que passar a ensinar na escola, e fora dela aos mais velhos, que os textos escritos e publicados (na internet) podem ou não valer, podem ou não dar-nos certezas, mas que devemos encarar a informação, toda, sempre como duvidosa até prova em contrário”.

Francamente! Ainda esqueceu-se de dizer que isso acontece com todos os outros meios de comunicação, seja jornais, televisão ou mesmo uma conversa no café! Somos todos obtusos ou o quê? Acho que o que vale é sempre o discernimento dos leitores.

Sobre o papel dos jornalista na nova era continua a insistir no erro e afirma “o jornalista, lentamente, está de novo num processo de valorização profissional enquanto alguém que, pela sua ética, pode ser considerado de confiança, porque o que ele escrever, disser ou filmar terá um valor diferente de muito do que é actualmente publicado. E se não podermos contar com essa ética profissional os nossos problemas serão muito maiores.

Quer dizer então que só o jornalista diz a verdade, e que nenhuma outra fonte de informação é válida só por uma questão de ética profissional? Desde quando isso é real? Quantos blogues o autor já visitou, o que conhece realmente sobre o assunto?

NADA!!! ABSOLUTAMENTE NADA! Limitou-se a colocar os nomes da moda: Hi5, Facebook, YouTube, etc. só para dizer que o que vale é o antigo e ultrapassado sistema de divulgação de informações!

E ainda termina o texto com esta máxima “E como sugeria Roger Silverstone: se não se comunicou publicamente nos media, então não existe” e eu pergunto-lhe: o terremoto da China? Só aconteceu porque MUITAS horas depois a televisão deu a notícia e os jornais publicaram no dia seguinte?

A Obercom deveria ter mais cuidado com o que publica e ser mais rigorosa na escolha dos editoriais, estão totalmente fora da realidade, ser formos analisar por este texto! Me irritei tanto que o resto da newsletter vou ler só no final da semana.

É que como amante incondicional das ferramentas e modelos mais avançados para a comunicação até me sinto frustrada por fazer tanta força para tentar entender e aprender a utiliza-las e acabar por constatar que a maioria das pessoas e do sector nem sequer fazem força para percebe-los e acham que entendem tudo!

PS.: Artigo escrito no calor da indignação!

All over the world

Ao tomar conhecimento de muitos blogs sobre relações públicas e Web 2.0 deixo aqui as ligações que considero as melhores sugestões para quem se interessa pelo assunto. Boa leitura!

Young PR – Discussing issues affecting PR Students and New Practitioners.

Strategic Public Relations – Focused on public relations strategy within integrated marketing communications. Hosted by Kevin Dugan since July 2002

Social Media Report – a site that gives you up to the minute intelligence on social media’s impact on business.

Blogging me blogging you – Ed Lee’s recipe for communications success: marketing, PR and Social Media poached in cyberspace. Yummy!

Richard Edelman – 6 A.M. – Richard Edelman blog.

Media Guerrilla – Mike Manuel dissects tech PR and social media marketing.

Media Culpa – Two Swedish eyes on media and public relations.

Blog de Octavio Rojas – Relaciones Públicas – blog de Octavio Rojas.

All things PR – A forum for UK Pr professionals.

Copyblogger – Copyblogger was founded in 2006 by Brian Clark. Brian is a new media writer/producer, entrepreneur, and recovering attorney.

NewPR Wiki – Main.HomePage – Wiki sobre relações públicas e Web 2.0.

Ainda o wiki do EuroBlog

Queria sublinhar mais uma dica retirada do wiki do Euroblog_08 que acho de importante relevância. É o artigo de Alexander Richter e Alexander Warta: The media variety as barrier for the successful use of enterprise wikis in the case of the Robert Bosch GmbH. Que pode ser um bom instrumento de estudo para quem esteja interessado em utilizar a <<Social Media>> como nova ferramenta das relações públicas.

Ligação Interessante

Ao ler as primeiras impressões de Bruno Amaral sobre a conferência EuroBlog 2008 achei interessante sublinhar a ligação ao Wiki do Euroblog.

Social Media – Blogs X Wiki na comunicação empresarial

Um dos meus passatempos preferidos é a pesquisa da internet. E ao visitar diversos sites sobre relações públicas, jornalismo, social media e todas as tendências da área de comunicação me deparei com discussões muito interessantes. Uma delas é sobre os blogs corporativos e o poder da Web 2.0.

A propósito disto me ocorreu que os servidores de Wiki podem ser uma melhor ideia para esse tipo de comunicação corporativa do que os blogs. Assim todos podem colaborar e opinar e as conversações podem originar muitos debates interessantes. Um exemplo de Wiki (que está disfarçado de blog) é o Collective Conversation (da Hill & Knowlton), do qual tomei conhecimento também aqui. Outra sugestão interessante pode ser juntar os dois, Blog e Wiki, como Martin Fowler já pensou, mas ainda não está totalmente desenvolvido.

Nos serviços de Wiki um dos principais pontos negativos são a inexperiência de alguns comentadores ou mesmo os hackers que podem atacá-los. O exemplo do Collective Conversation é promover óptimas discussões e outras nem tanto. Diria mesmo que algumas sem nenhum interesse. Pelo menos para mim.

Já nos blogs a integração de leitores e escritores é feita através dos comentários e de mensagens de correio electrónico e não directamente nos textos. É menos dinâmico e as intervenções podem ser mais facilmente filtradas, editadas e até censuradas.

Mas se temos um público-alvo de interesses em comum com o da empresa, é muito mais interessante abrir o diálogo e aceitar intervenções e sugestões. Que mesmo assim podem ser editadas e filtradas. Por isso penso que a opção Wiki, muitas vezes pode ser mais interessante.

Fico imaginado o que aconteceria se conseguirmos converter alguns dos blogs nacionais sobre comunicação, relações públicas, jornalismo etc., em um grande Wiki sobre a comunicação em Portugal.

Depois desta primeira conversa gostaria da vossa opinião.

Qual dos meios de social media é mais viável e confiável para a comunicação empresarial?

Qual deles pode ter maior influência, atingir mais pessoas e trazer os melhores resultados?

Por último vale a pena a dica de leitura sobre blog corporativo e também acompanhar as informações da discussão sobre o assunto.